A Gallo Worldwide utiliza cookies nos seus sites para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Saiba mais sobre Cookies

Benefícios do Azeite

A Dieta Mediterrânica

Porquê falar de Dieta Mediterrânica?
A palavra "dieta" tem origem Grega; deriva da palavra "diaita" que significa modo de viver.

A dieta mediterrânica é uma maneira de entender a vida e uma forma natural de comer baseada em produtos agrícolas locais, receitas e métodos de confeção de cada local, passada de geração em geração, partilhando refeições, comemorações e tradições. Tudo isto complementado por um equilíbrio perfeito entre lazer e trabalho, amigos e família, desporto, cultura e comida.

Uma das definições proposta para a dieta mediterrânica pelo Documento de Consenso Internacional sobre azeite e dieta mediterrânica é: "a dieta mediterrânica tradicional caracteriza-se pela abundância de alimentos como pão, massa, verduras, saladas, fruta e frutos secos; azeite como principal fonte de gordura; moderado consumo de peixe, aves, produtos lácteos e ovos; pequenas quantidades de carnes vermelhas e de baixa a moderada quantidade de vinho consumido normalmente durante as refeições".

A pirâmide da dieta mediterrânica contabiliza elementos quantitativos e qualitativos para a seleção dos alimentos: na base, encontram-se os alimentos que devem sustentar a alimentação, e nos níveis superiores, os alimentos a serem consumidos em quantidades moderadas.

Pirâmide da dieta mediterrânica - um estilo de vida para os dias de hoje

dieta

Porções baseadas nos valores recomendados para população adulta e de acordo com os hábitos alimentares ibéricos Fonte: Fundación Dieta Mediterránea

Dieta Mediterrânica - um Modelo de alimentação saudável
A pirâmide da dieta mediterrânica contabiliza elementos quantitativos e qualitativos para a seleção dos alimentos: na base, encontram-se os alimentos que devem sustentar a alimentação, e nos níveis superiores, os alimentos a serem consumidos em quantidades moderadas.

Indica também a composição e número de porções de refeições principais e reflete, no seu design, os elementos sociais e culturais característicos da forma de vida do Mediterrâneo. Entre as características e os produtos básicos da dieta mediterrânica encontramos o azeite, eixo fundamental em torno do qual se elaboram a maior parte dos pratos da dieta mediterrânica.

Assim, esta pirâmide inclui todos os grupos alimentares, em proporções e frequências que coincidem com as recomendações atuais de uma dieta saudável:
- mais de 50% das calorias provêm de hidratos de carbono: pela abundância de alimentos como pão, massa, verduras, saladas, fruta e frutos secos
- entre 30-35% das calorias procedem da gordura: azeite como principal fonte de gordura
- 12% das calorias das proteínas: moderado consumo de peixe, aves, produtos lácteos e ovos e pequenas quantidades de carnes vermelhas

Por sua vez, é uma dieta baixa em ácidos gordos saturados, sendo que mais de 50% dos ácidos gordos totais são monoinsaturados provenientes de produtos como o azeite de oliva e os frutos secos, é rica em fibras, presentes nos cereais, frutas e verduras e em produtos de elevado poder antioxidante como os vegetais, frutas e vinho (consumido em baixa a moderada quantidade e preferencialmente durante as refeições). Associado a estes hábitos de consumo, a água como bebida preferencial e a realização de atividade física frequente, também contribuem para os efeitos benéficos da dieta mediterrânica. Este padrão de consumo de alimentos é dirigido a uma população adulta saudável e deve ser adaptado às necessidades específicas de crianças, mulheres grávidas e de pessoas com outras condições de saúde.

12 passos para adoptar um estilo de vida mediterrânico

Substituir a manteiga, margarina

e óleos por azeite.

Petiscar nozes, sementes e frutas, em vez

de salgados e aperitivos.

Incluir uma generosa variedade

de produtos sazonais frescos e locais.

Consumir pão, arroz e massas integrais,

bem como outros cereais.

Comer vegetais diariamente.

Servir pratos que incluem leguminosas

como feijão, grão e favas ou ervilhas.

Utilizar peixe, aves, feijão, nozes e ovos como alternativas à carne vermelha, limitando o seu consumo a pequenas porções ocasionais (um máximo de 1/3 a ½ kg por mês).

Beber vinho, mas não ingerir mais do que um ou dois copos por dia, durante as refeições.

Optar por frutas frescas para a sobremesa.

Guardar tempo suficiente para saborear

e apreciar cada refeição com calma.

Praticar atividade física para promover

um peso saudável.

Aproveitar a refeição como momento de convívio.

Prev Next Next
Siga-nos
em todo o mundo
Contacte-nos
para qualquer informação Contacte-nos